Reinaldo Cafeo analisa o impacto do coronavirus na economia

Coronavirus e a economia: é hora de prudência

O mundo econômico é dinâmico e de uma hora para outra o ambiente de negócios muda. Eventos internacionais têm repercussão instantânea e em tempos de redes sociais e veiculação instantânea das notícias, tudo ocorre em elevada velocidade.

Analisando as variáveis econômicas no tocante ao desempenho econômico brasileiro, tudo aponta para um ano de recuperação, podendo atingir o dobro de crescimento se comparado ao ano passado.

Não obstante esta constatação todos tentam avaliar qual a dimensão e consequências do coronavirus para a humanidade e em particular para a economia.

É cedo ainda para conclusões, mas o ambiente é no mínimo perturbador. De um lado vidas humanas sendo ceifadas e os governos tentando bloquear a proliferação do coronavirus, de outro lado, a já sentida menor mobilidade das pessoas e a projeção de queda no crescimento econômico mundial.

A constatação mais rápida e mais instantânea vem do nervosismo do denominado “lado monetário” da economia. Indicadores de curto prazo, como desempenho da Bolsa de Valores, cotação da moeda estrangeira, taxa de juros de títulos públicos, entre outros, estão extremamente voláteis e quem se precipitar nas decisões pode perder muito dinheiro.

O reforço é sempre para ser prudente. Quem estuda economia exercita sua capacidade de abstração, para que, estrategicamente, possa pensar “fora da caixa”.

Tudo que vem ocorrendo é grave? Sim. Pode ser mais grave ainda? Somente o tempo dirá, mas a prudência mencionada faz com que tenhamos cautela, mas em momento algum devemos perder o foco.

As metas para este ano foram traçadas. Nossa carreira e nossos negócios estão em pleno voo. Não é momento de atos heroicos e tampouco de alterar de maneira contundente o que foi planejado para este ano.

É certo que alguns instrumentos de controle macroeconômico estão sendo utilizados em seu limite, como por exemplo, a política monetária mais frouxa (tanto no Brasil como em vários Países do mundo), mas também é certo que é possível, de maneira centrada, minimizar os efeitos deste momento em que o mundo passa. Há instrumentos para isso.

Em resumo: em tempos de turbulência, não é momento de atos heroicos, e como colocado, é hora de ser prudente. Pratique seu lado estrategista.

Reinaldo Cafeo é economista e presidente da Associação Comercial e Industrial de Bauru – ACIB.

✔ Leia outros artigos como este no blog da ACIB, clicando aqui:
https://acib.org.br/blog/ .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *