Recuperação econômica: V, U ou W?

Recuperação econômica: V, U ou W?

A pandemia do novo coronavirus, a Covid-19, introduziu um componente desafiador quando a ideia é projetar o que esperar da economia, em especial a brasileira: o elevado nível de incerteza.

Quando as crises econômicas têm como origem o ambiente de negócios, principalmente o setor financeiro, a avaliação de como os agentes econômicos reagirão e quais os caminhos para encurtar o tempo de recuperação ficam mais claros.

Neste momento as incertezas são maiores porque a crise veio do setor da saúde impactando na vida das pessoas, e o que é pior sem solução no tocante a vacina e medicamentos, ao menos no curto prazo. Projetar indicadores neste contexto não é tarefa fácil.

Até agora o que temos certeza é que a economia derreteu. Neste particular quero esclarecer que afirmar isso tem respaldo real. Leio e ouço pessoas com avaliações superficiais mencionando que alguns setores da economia teriam que pagar seu preço pela incompetência de seus gestores. Mencionam que alguns setores reagiram bem a este momento de isolamento, e que os empresários precisariam sentir na pele sua falta de estratégia.

Quem faz este tipo de avaliação não se deu conta que o crescimento do e-commerce, por exemplo, não compensa a queda nas vendas presenciais, e que os mais afetados com a atual paradeira são os empreendedores de pequenos negócios, portanto, são praticamente funcionários de si só.

Isso posto vou arriscar o que podemos esperar utilizando três letras: V, U e W.

No olhar internacional e os primeiros indicadores notadamente vindos dos Estados Unidos deu a impressão de que a recuperação econômica se dará em V. Isso implicaria em concluir que a economia teve forte queda, bateu o fundo do posso, mas é capaz de se reerguer rapidamente.

Outra avaliação é que esta crise será semelhante a letra U, ou seja, a economia cai, atingindo o fundo e recupera lentamente, semelhante a “barriga” deste U.

E outro cenário seria representado pela letra W. Neste caso a economia cai, rapidamente se recupera e tem novo tombo antes de voltar ao campo positivo. Este seria o pior cenário.

Meu entendimento é que, não obstante algumas economias ao redor do mundo terem a capacidade de retomada em V, a realidade brasileira aponta para a recuperação em U. Descarto pelo menos neste momento o W, posto que algumas atividades econômicas voltam a operar aqui no Brasil, trazendo, novo alento ao mercado.

O U se justifica pelas características geográficas, políticas e econômicas do Brasil. A nossa dimensão territorial não permite uniformidade no desempenho econômico. Do lado da política cada dia há um novo fato, tirando o foco das questões econômicas, as quais estão ligadas a necessidade de completar o ciclo de reformas. Resumo: a recuperação econômica virá, mas lentamente, confirmando o U.

Há muitas leituras sobre a economia, mas independentemente do que virá pela frente é certo que teremos meses e diria até anos desafiadores pela frente.

Reinado Cafeo é economista e presidente da Associação Comercial e Industrial de Bauru -ACIB. 🌐 www.reinaldocafeo.com.br

✔ Leia outros artigos como este no blog da ACIB, clicando aqui: https://acib.org.br/blog/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *